Assuma seu mega – Cuidados com o Megahair

Olá pretas!

Hoje resolvi falar um pouco sobre a minha experiência em usar megahair e alguns cuidados que devemos ter.

Quando resolvi colocar o mega fiquei meio receosa em usar, tinha dúvida se ia gostar, se iria combinar comigo, enfim, esse tipo de insegurança que toda mulher tem quando está prestes a fazer uma mudança no visual. Eu também estava com o cabelo curto, quebrado demais, fino demais e insatisfeita demais com ele.

Vamos combinar que há um certo preconceito em utilizar megahair porque sempre existe aquela opinião preconceituosa e equivocada de que o cabelo não é seu, mas aí eu respondo: “o cabelo é meu sim, eu paguei por ele, assim como você paga pra alisar ou pintar o seu”. Passado o período de adaptação com o novo visual eu não tive problema algum em dizer “Sim eu uso megahair” e diga-se de passagem I love megahair.

A Beyonce, Rihanna, Giovanna Antonelli, Cris Viana que já negou usar megahair e muitas outras famosas usam, sejam elas negras ou não, e ninguém faz piadinhas de mal gosto. Se elas podem nós podemos também!

megahair-vou-de-preta-bayonce-tais-araujo-rihanna-cris-viana

Não vou negar que já pensei  – e ainda penso – em deixar de usar o megahair, mas pra mim é como se fosse um vício que eu não consigo largar, eu gosto cada vez mais, principalmente após a manutenção que ele sai renovado.

Hoje eu uso mais o menos de 150g a 200g de cabelo afro de 50cm, mas isso varia de pessoa pra pessoa. Costumo comprar os cabelos em gramas pela internet, nas minhas duas lojas virtuais de confiança Bella Hair e Hair Shop; os prazos sempre são cumpridos, a quantidade também vem correta e o tipo de cabelo escolhido também chega corretamente e diga-se de passagem o R$ também são os melhores.

Para não danificar o cabelo natural, o ideal é fazer a manutenção a cada três meses, até porque depois desse tempo o mega fica meio frouxo e  feio. Vou fazer uma confissão pra vocês: nem sempre eu cumpro esse prazo e acabo pagando meio caro por isso, pois o meu cabelo acaba ficando mais fraco do que ele normalmente já é e também arrebenta na hora de retirar.

cabelos-megahair-vou-de-preta-Dai

Como há bastante acúmulo de substâncias no couro cabeludo e na superfície dos fios, causada pelo uso de shampoos, condicionadores, máscaras e finalizadores, o couro cabeludo e os cabelos acabam ficando oleosos, e quando usamos megahair não é diferente,  há um grande acúmulo de resíduos principalmente nas amarrações.

A gente que usa magahair crespo sabe como é difícil lavar os cabelos com shampoo pois enlinha e muitas vezes não fica bem limpo. Foi aí que eu fui pesquisar algo que me ajudasse a resolver esse problema, e encontrei essa receita que tem me ajudado muitooOo. Anota aí: Misture 1 colher de sopa de bicarbonato de sódio, aquele mesmo usado na cozinha, com um pouco de shampoo (a quantidade que você costuma usar normalmente). Aplique no cabelo umedecido, massageie e enxague em seguida.

assuma-seu-megahair-cuidado-megahair- Dainara-vou-de-preta

O bicarbonato de sódio é um agente altamente alcalino, com pH entre 9 e 10, que abre muito as cutículas e remove todo o acúmulo de substâncias na superfície dos fios, além de ser um ótimo esfoliante, o que gera uma desintoxicação intensa, sobretudo porque é um produto que vai higienizar o couro cabeludo.

Outra dica importante é na hora de dormir fazer uma trança folgada, os cabelos vão ter ótima aparência ao acordar e certamente não enlinharão.

O que realmente importa é você se sentir bem, seja de cabelo curto, comprido, crespo, liso, com megahair, careca, loira, morena , ruiva… Enfim, com as infinitas possibilidades que existem de nos expressarmos e sermos o que quisermos e principalmente quando quisermos. Hoje eu decidi assumir o meu megahair e amanhã nem eu sei o que será.

Beijos da Dai.

A verdadeira Barbie negra

por quarta-feira,9 julho, 2014 7 , , 5

Oi oi oi as mãos pra cima pretas!

Quem de vocês já teve, ou brincou de Barbie quando criança? Aposto que todas, né?!

Até porque, é o brinquedo de menina mais tradicional no mundo. E eu confesso que nunca tive uma Barbie original; os preços na época (em cruzeiro antigo) eram bem salgados e não era qualquer uma que podia ter. Mas em compensação tive várias ~Susis~ que pra mim eram a mesma coisa: pele branquinha, cabelos loiros, olhos azuis e uma cintura fininha de dar inveja em qualquer modelo por aí. E o que essas bonecas tinhas a ver comigo naquela época, ou até no que eu viria a me tornar?? Absolutamente nada, e tenho certeza que com vocês não é diferente.

5

Demorou muito tempo pra que eu visse pessoalmente uma boneca negra, e eu nunca tive nenhum exemplar.

A primeira Barbie negra a existir foi criada em 1980, com feições ainda caucasianas, porém um pouco mais africanas que suas “amigas” criadas na década de 60. Depois disso a Mattel foi “aprimorando” suas as bonecas, e hoje podemos encontrar vários , varios e vários modelos de bonecas negras. Mas além dos preços ainda serem a cima da média, temos que concordar que os padrões de beleza das Barbies ainda passam longe da nossa realidade.

2

Mas enquanto nós ficamos “procurando” bonecas que se pareçam verdadeiramente com a gente, o nigeriano Taofik Okoya decidiu fabricar as próprias bonecas para sua sobrinha. O ex-diretor executivo resolveu mudar de vida ao perceber que as prateleiras das lojas eram repletas de cabelos loiros, olhos azuis e preços altíssimos. A partir desta reflexão, a ideia de fabricar bonecas mais próximas à realidade de seu país veio como num estalo.

NIGERIA-DOLLS/

O projeto criado por Taofik, batizado de Queens of Africa – Rainhas da África – retrata de forma muito mais fiel as mulheres nigerianas e negras em geral, incluindo suas roupas e acessórios baseados na cultura e vestimentas da região.

Taofik sabe da importância que esse tipo de influência pode ter na vida de crianças negras, principalmente meninas que valorizam muito mais a estética. Atualmente suas bonecas são mais vendidas que as Barbies da Mattel, e muito se deve ao valor (muito mais em conta que o de sua concorrente), com preços a partir de $5 dólares.

4

Através das bonecas negras, as meninas nigerianas se identificam e criam um novo padrão de beleza para si, muito mais próximo e real, fazendo com que elas se aceitem e se amem como são.

Em um país onde a conscientização do papel da mulher negra é tão importante para o crescimento social, a aceitação que essas bonecas geram é o início de uma nova história que será construída por meninas que saberão reconhecer sua beleza e seu valor.

Será que as bonecas – e a consciência de Taofik – vão demorar a chegar por aqui??

Whitenicious – Creme promete clarear pele negra em uma semana

por quarta-feira,11 junho, 2014 0 , , , 5

Você já ouviu falar do Whitenicious?!

Whitenicious vem  fazendo sucesso na África Ocidental, ele foi desenvolvido por cientistas e pela cantora nigeriana Dencia; o creme promete clarear peles morenas e negras em até sete dias.

Após utilizar  o cosmético durante sete dias em todo o corpo, a cantora apresentou um resultado surpreendente, ao exibir a pele totalmente branca.  Segundo Dencia, Whitenicious proporciona um bem-estar maior à suas usuárias, uma vez que a pele é clareada e elas passam a não sofrer mais com o racismo; ela também afirma em seu site, que a contínua marginalização dos descendentes africanos, homens e mulheres no, mercado mundial de produtos de beleza levaram-na a idealizar o produto.

Comparativo antes e depois que mulher negra utilizou o creme Whitenecious

Dencia, que tinha a pele negra antes do uso do produto, afirma em seu site oficial que um dos fatores positivos no uso do creme é o fim do racismo.

Vale salientar que o site no qual o produto é vendido, é totalmente vago sobre os ingredientes utilizados no cosmético;  fala-se em vitaminas  C e E associadas, que podem até servir como despigmentante uniformizador da  coloração da pele, porém a ação dessa associação  é  muito mais preventiva aos efeitos causados pela radiação UV, do que clareadora.

Acredita-se que deve existir um ingrediente “secreto” que promove esse efeito agressivo contra a pele;  como não há estudos sobre esse produto não se sabe quais efeitos colaterais poderão surgir a longo prazo.

Atitudes radicais como essa são “efeitos colaterais” da falta de visibilidade da mulher negra na grande mídia; não conseguimos nos identificarmos  em campanhas publicitárias, personagens principais de novelas e filmes, destaques políticos e sociais, não sendo consideradas como parte do padrão ideal de beleza.

Whitenicious poderá até clarear a pele, mas não apagará  a essência de ser uma mulher negra; de onde viemos, nossos ideais, nossas historias e até mesmo o preconceito sofrido.

 

Google+